segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Santa Maria, a tragédia.



Muito boa noite, jovens gafanhotos leitores de blogs, já faz um tempo desde a última vez que nos ~falamos~, não é? Mas é que já não se tem muita coisa interessante do que se falar hoje em dia e, se tem, vai ter alguém roubando a ideia e não sou o tipo de cara que gosta de postar algo comum, minhas críticas são mais ávidas, mais incomuns e acho que alguns já devem ter notado isso, ou não.
Hoje vou escrever sobre a notícia que repercutiu – e ainda está sendo repercutida – no Brasil inteiro, todas as atenções, as tristezas, o luto, enfim, vou falar sobre a ~tragédia~ de Santa Maria.

O acontecido: Um grupo de jovens juntou-se em um determinado local, no caso uma casa de shows - ou boate, como preferir -, e o vocalista de uma banda qualquer, babaca que é, resolveu acender um sinalizador no meio do show, para fazer uma arte pirotécnica e alegrar a noite, bom... Ele até conseguiu ‘animar’ as coisas, mas não como queria, afinal, quem mexe com fogo tem mais que se queimar mesmo.

Quem em sã consciência vai fazer um show pirotécnico sem uma equipe preparada em um local fechado? Cara, começa daí a ignorância alheia. Aí depois disso tem um segurança babaca que fecha as portas devido ao tumulto. Imagino que o que ele tenha pensado: “Eita porra! É uma briga, preciso escapar, afinal sou só um segurança. Olha essas portas, seria uma pena se alguém fechasse elas pra não ter que parar uma briga. Rsrsrsr”, acho que foi algo assim. Por que na boa, um cara que fecha as portas vendo um monte de gente correndo aos gritos e empurrões, gritando: “Incêndio!” ou “Fogo!” ou “Socorro!” (Se os caras não estavam gritando isso ao correr, nem sei o que dizer, porque viu), só pode ter um pensamento primitivo assim.

Enfim, enfim... Depois disso, apenas o resultado da ignorância do brasileiro: 280 mortos, aproximadamente, e um país em “luto.” Mas aí eu pergunto pra vocês: É justo estar de luto por isso? Por algo que pode estar acontecendo nesse momento em um país mais pobre como a África, e vocês não vão dar à mínima? Afinal a mídia não vai querer cobrir; quem quer saber da história de pessoas mazeladas, que passam fome e morrem num incêndio?

Admito que estou triste sim pelo que aconteceu em Santa Maria, colocar-se no lugar do outro é o primeiro passo para ser um ser humano ético e educado na nossa sociedade atual, mas ao mesmo tempo, to pouco me importando; prefiro me importar em achar uma frase de efeito que vá mudar o pensamento de alguns e, posteriormente, melhorar a sociedade, a me importar com um acontecido dentre vários outros que acontecem no mundo todo.
Enquanto você dorme acontecem chacinas em outro canto do país, acontecem estupros que você teria vontade de vomitar apenas de imaginar, e você não ta dando uma foda pra isso, por que a mídia não se importa. A partir do momento em que a mídia se importar, você também vai se importar. Então, só digo uma coisa: Pare de ser idiota. Pare de tentar ser moralista. Apenas pare e vá fazer algo mais produtivo que fingir sentir pena dessa gente, pois você também não se importa, afinal não tem ninguém conhecido dentre os mortos, nenhum amigo, namorado, irmão, pai, tio... Sei lá, ninguém (Se você conhecia alguém de verdade, ignore esta parte).

Bom, não vou comentar sobre aqueles que criam falsos depoimentos para ganhar “likes” em redes sociais, por que esse tipo de gente não merece meu precioso tempo, tenho mais com o quê me preocupar.

É isso, galera. Agora é o de sempre: Comente, divulguem, xinguem,  chorem, morram, se inscrevam, tenham filhos...
Apenas deem um jeito de repassar a mensagem, se é que conseguem entendê-la.

See Ya.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Um texto de um neto para sua avó.

Bom, cambada, hoje o texto é um pouco diferente de todos os outros que já escrevi. Primeiro porquê é uma homenagem, uma daquelas que você tem a obrigação de fazer ao menos uma vez na vida; segundo por que não é sempre que eu faço textos desse tipo e saio divulgando por aí, mas esse vai ser divulgado porquê tenho o dever de homenagear uma senhora que é tipo... A senhora mais zik na balada e mais que isso, é a minha avó.

Se você por algum acaso da vida, ou por babaquice dos seus pais na adolescência, não conhece sua avó, meu amigo, sinto muito mas sua vida deve ser triste. Ter uma avó e um avô é uma coisa indescritível, de verdade. Primeiro que eles já viveram mais que muita gente que você conhece e têm histórias bem interessantes para contar em tardes quietas e tediosas, segundo que eles te mimam pra caraleo, mesmo depois que você tá velho e seus pais deixam de te mimar, resumindo, é magnífico e prazeroso. Também têm aqueles que não se dão bem com seus avós, mas com esses eu não devo falar muita coisa, por que os motivos são variáveis e conheço gente que até tem motivo de sobra pra ter um péssimo relacionamento com gente assim, mas que, da mesma forma, consegue respeitá-los, independente das desavenças e todo o resto, então não tenho motivos para chamá-los de idiotas, só são idiotas aqueles que ignoram os 'velhos' por vontade própria, sem motivo nenhum aparente, esses sim não têm meu respeito, mas enfim, esqueçamos isto.

Essa sra da foto abaixo é a minha avó. Lindona, né?





Não vou chegar aqui e falar pra vocês que sou aquele neto exemplar que tá sempre presente e tudo mais, por que eu estaria mentindo, sou muito anti-social para estar sempre presente em qualquer tipo de evento familiar, mas não significa que eu não goste dela; até por que não dá pra não gostar dela. Não sei a idade da minha avó, admito, mas ela não é nova, porém, não é tão velha quanto aparenta ser e quem a chamar assim, ao menos perto de mim, receberá um grande palavrão como resposta; mas enfim, apesar da idade já avançada, das mãos cansadas, essa mulher sobre quem falo é a que mantém tudo nos conformes, o que ela diz torna-se lei e assim deve ser cumprida, e aí de quem não cumprir. Ela não cansa de ficar preocupada com os filhos, com os netos; não descansa enquanto não estiver tudo bem e tem a disposição de uma mulher com seus 40 ou 50 anos de vida - seria exagero falar uma idade mais nova, continuo sendo realista. E não é algo que se vê por aí nos dias atuais, sinceramente falando. Digo, não é toda mulher de idade avançada que tem essa disposição pra manter tudo bem, tudo nos conformes; a grande maioria simplesmente ignora tudo e começa a viver as custas dos filhos. Eu sei que existe um momento em que isso é, de fato, necessário; mas eu tô falando aqui daquelas que, muitas vezes até mais novas que minha avó, já vivem nesse conforto, entendem o que quero dizer? Enfim, não vou complicar tanto por que tá ficando confuso.

O que quero dizer é que sem essa senhora que, mesmo com idade avançada, luta todos os dias para o bem estar de todos ao seu redor, isso tudo de hoje em dia - na minha família - não seria igual ao que é. Ela é o 'suporte' de um número considerável de pessoas e simplesmente não se deixa entregar as preocupações ou a idade, ela continua lá, firme e forte, mantendo tudo em seu devido lugar; ela é uma mulher incrível, apenas isso que tenho a dizer.

Sabe, não sei como vou fazer pra ela ler isso, mas vou dar meu jeito, por hora apenas os amigos e algumas pessoas da família irão estar lendo, mas sei que vai chegar até ela de alguma forma e quando chegar, eu espero que ela saiba que esse texto é a minh... Não, eu posso dizer que é algo que todos da nossa família gostariam de falar pra ela, então não posso considerar como algo apenas meu. Nós sabemos da importância dela pra gente e não ignoramos isso, e sei que se fosse possível, todos os dias teria alguém lá, mimando e cuidando dela como ela mima e cuida de cada um de nós.

Então, pra finalizar, quero fechar um clichê e sincero:

"Eu te amo, vó."


Mas e você, já parou pra pensar no quanto sua avó é importante e já tentou fazer qualquer bobagem pra ela? Se não, faça isso; não tem sentimento melhor para alguém do que ser lembrado. E isso não serve apenas para avós e avôs, serve para qualquer um.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

2012

Sim, 2012, o ano em que supostamente o mundo acabaria cheio dos desastres naturais e uma outra caralhada de coisas, né? Eu sei que vocês lembraram daquele filme lançado em 2009 ao ler isso aí, mas não é sobre o filme que vou falar, até por que ainda nem perdi meu tempo vendo, estou aqui para falar sobre como esse ano foi, em sua complexidade, maroto e bom para mim. O que é estranho, por que no geral, salvando algumas exceções, não costumo ter um ano "bom", digamos que são "medianos" quase sempre.

Mas no ano em que o mundo iria acabar, eis que a destruição trouxe boas novas para mim, ironia pacas, não é?
O ano começou normal, como todos os outros, ou seja: uma merda. E assim foi até meados de Fevereiro ou Março, não lembro ao certo. Mas desde essa época, aproximadamente, tudo mudou. De repente me vi voltando aos estudos em um curso pré-vestibular, conhecendo novas pessoas, dentre elas minha namorada - uma das melhores coisas que me aconteceu esse ano, se não a melhor.

Mas não foi apenas na minha vida fora desse meio de comunicação que usamos diariamente que melhorou. Me aproximei ainda mais de algumas pessoas, pessoas com as quais já tinha uma ótima amizade, mas que esse ano só melhorou ainda mais, né, Çami, sua linda? Também conheci gente como a Thaís (Thatha Pauzudo, para os íntimos), a Maria (Badia, para os íntimos), o Breno (Viado, para todos), o Thiago (Thiagatão que canta pra krl¹) e mais gente ainda, enfim, caras... Não tive um ano perfeito, por que perfeição não existe e nunca vai existir, mas não tenho do que reclamar desse ano em nada, de verdade. Tive minhas discussões com amigos, me acertei com eles, foi o primeiro ano 'normal' que eu tive, se é que pode-se dizer isso.

E eu não me importo com o Natal e nenhuma outra data religiosa, ou feriado, pra mim são apenas dias comuns onde as pessoas fazem 'rituais' para sair do cotidiano e aproveitam para se felicitarem e compartilharem algo com seus familiares, respeito isso apesar de não gostar e não me importar.

E desejo-lhes um Feliz Natal, com bastante consumismo para o capitalismo e comida para os gordos que gostam de gordices. Bgs e Adeus.

¹ - Aqui os links para vocês curtirem os vídeos do Thiagão, se inscrevam no canal do cara, divulgem e deem aquele like suave para ajudar na divulgação. E claro, ajudem a divulgar isso aqui também. :3 http://www.youtube.com/user/ThiagoGouvin?feature=watch

domingo, 25 de novembro de 2012

Preconceito e Nordeste


Nordeste, região do país brasileiro dotada de praias e piscinas naturais bonitas, típicas de visitas turistas nas altas temporadas do ano. Dotada de um povo um pouco rude, bruto, ignorante, muitas vezes mal educados, mas que sabem acolher, como ninguém, quem quer que venha visitar suas terras; mas também dotado de muitas pessoas inteligentes, mas que não provém de uma infra-estrutura que faça bom uso desse atributo e, por esse motivo, a migração para outros estados por parte dos nordestinos, o que oferece um crescimento maior da população nos mesmos e, por outro lado, também trás seu crescimento econômico e social, aumentando a fonte de renda do local e tornando-o de tamanha importância para o país como nenhum outro estado, por sua vez passando a ser a prioridade de atenção dos grandes da política.

Mas então surge o problema – já citado – e isso começa a causar dor de cabeça nos políticos:
Como controlar o “super crescimento” populacional em um único estado? – Precisamos culpar alguém. Que tal darmos uma olhada no maior grupo de migrantes para dentro do estado nos últimos tempos?
E assim aconteceu, assim surgiram os culpados pela superlotação populacional do sudeste brasileiro: aqueles que trouxeram a renda atual do país à tona, que trabalharam e trabalham para o crescimento das grandes indústrias e não são valorizados, os que migraram atrás de melhoria por falta de infra-estrutura no local onde moravam; assim culparam os nordestinos; como se fossem os únicos migrantes em todo o país para essa região do país.
Basta pensar um pouco pra quebrar o mito do preconceito voltado pro povo do nordeste pelos que moram no sul/sudeste brasileiro: Nós nordestinos não somos os únicos que vão morar em seus respectivos estados. E não vamos por querer, sim por que indiretamente somos obrigados a mudar por culpa do estado federal. E a ignorância do povo do nordeste os deixa serem influenciados.

Dados os culpados, chegou a hora de dar um motivo para expulsá-los de volta para sua terra natal, mas como fazer isso? Como achar um motivo que o povo ache “conveniente” e que não fique tão na cara que o estado está com ‘problemas’?
- Por que não plantar um preconceito de que o povo do nordeste é arrogante, bruto, burro, intolerante? Aos poucos os “sudistas”/sulistas vão acreditar e o preconceito vai fazer com que eles queiram voltar, vai fazer com que sintam mal.

E aí surgiu o preconceito contra o Nordeste, terra de pessoas ignorantes e arrogantes, intolerantes e não inteligentes. Preconceito que, indiretamente, foi implantado numa comunidade onde os mesmos nordestinos levaram ao crescimento econômico, sujeitos à trabalhos em máquinas, trabalhos de pedreiros – sempre que olhar para sua casa, lembre-se que um nordestino pode tê-la “criado” – e muitos outros trabalhos que, aos poucos, levaram a esse crescimento. E o estado aproveitou-se disso, deixou o foco em uma única região do país e esqueceu de dar apoio as demais, principalmente a região desse povo que trabalhou na capital mais economia do país, a fez crescer. E agora que os nordestinos estão voltando para suas terras, o mesmo nordeste “esquecido” pelo poder político, está crescendo economicamente, geograficamente; já não tem mais como deixar os holofotes focados em um único estado ou uma única capital, agora eles se lembram da nossa região e querem fornecer um apoio, mas apoio este que pensa apenas na renda econômica.

- Uau, eles foram capazes de crescer mesmo quando a gente não dava muito apoio. Estão gerando uma boa renda para o país, que tal ajudarmos e tirarmos um pouco da renda para nós? Eles não vão perceber, são burros.

É, talvez a maioria do povo não perceba essas diferenças tão pequenas, quase imperceptíveis; talvez eles fiquem mais preocupados com o preconceito e continuem apenas trabalhando ou brigando com os sulistas e os “sudistas”; mas nem todos os nordestinos são iguais, alguns percebem esses pequenos detalhes; alguns são inteligentes – a maioria dos jovens do nordeste são – e veem um mínimo de razão nisso que está escrito.

Então, parem de babaquice, parem de falar: “Ain, vcs tem mto preconceito com nordestino.”
Esse mesmo preconceito não existia há 10 anos, se você parar pra pensar. Pare e reflita um pouco, observe os detalhes, tenha a mente aberta. Se os sulistas e “sudistas” realmente fossem preconceituosos, certamente não seriam seus amigos na internet, nem sequer chegariam perto. Como eu disse e volto a repetir: Reflita e atente aos detalhes.

Recapitulação e Retorno.

Yup, o blog estará voltando em breve; resolvi que o Brasil em que vivemos não pode viver sem uma crítica direta e imponente direcionada aos jovens, pelo simples fato de que, em grande escala de maioria, os jovens brasileiros são uns putos de uns babacas; preste atenção, não tô falando que são TODOS os jovens, e sim a grande maioria e todos nós sabemos que isso é verdade;

Então, pequeno gafanhoto leitor de blogs, se você tiver um mínimo de inteligência, repasse essa página para seus amigos que subjugar como "babaca", e force-o a ler, pois assim, talvez; o cara tenha um pouco mais de consciência.

Aviso já de ante-mão que haverão sim palavrões, haverão xingamentos, haverá uma balbúrdia nos textos, talvez não em todos, mas na grande maioria, sim.

Mas por quê postar palavrões em um texto, Wag?

Simples, caras... Os jovens de hoje em dia, por serem babacas, só entendem as coisas se forem ditas na linguagem que estão acostumados a usar, sendo assim, se eles veem um texto mais informal, terão mais coragem para ler, ao invés de simplesmente ignorarem os textos por motivo de: não tô entendendo porra nenhuma do que esse cara tá falando, linguagem muito complicada.

Entenderam agora?

Yay! Recados dados, coragem re-ativada, blog reiniciado, eis a hora de dar o start inicial de retorno, por isso voltem à divulgar em suas redes sociais, para seus amigos babacas, para quem quer que seja pois, oficialmente falando, o

This is a Hard Life

Está de volta!